Song of myself - Walt Whitman





Song of myself - Walt Whitman


I celebrate myself, and sing myself,

And what I assume you shall assume,

For every atom belonging to me as good belongs to you.

I loafe and invite my soul,

I lean and loafe at my ease observing a spear of summer grass.


My tongue, every atom of my blood, form’d from this soil, this air,

Born here of parents born here from parents the same, and their parents the same,

I, now thirty-seven years old in perfect health begin,

Hoping to cease not till death.


Creeds and schools in abeyance,

Retiring back a while sufficed at what they are, but never forgotten,

I harbor for good or bad, I permit to speak at every hazard,

Nature without check with original energy.


Walt Whitman (1819–1892)

was an American poet, essayist and journalist.




Walt Whitman - Canção de Mim Mesmo (PT)


Eu celebro o eu, num canto de mim mesmo,

E aquilo que eu presumir também presumirás,

Pois cada átomo que há em mim igualmente habita em ti.

Descanso e convido a minha alma,

Deito-me e descanso tranqüilamente, observando uma haste da relva de verão.


Minha língua, todo átomo do meu sangue formado deste solo, deste ar,

Nascido aqui de pais nascidos aqui de pais o mesmo e seus pais também o mesmo,

Eu agora com trinta e sete anos de idade, com saúde perfeita, dou início,

Com a esperança de não cessar até morrer.


Crenças e escolas quedam-se dormentes

Retraindo-se por hora na suficiência do que não, mas nunca esquecidas,

Eu me refugio pelo bem e pelo mal, eu permito que se fale em qualquer casualidade,

A natureza sem estorvo, com energia original.


Walt Whitman (1819–1892) foi um poeta americano.









Conteúdo correspondente: